quinta-feira, dezembro 18, 2008

GOSTAR DE TI



É estranho o meu gostar de ti,
Gosto assim… aos montes!
Às pinguinhas miudinhas que molham tolos!
Mas molha!
É um gostar muito doce,
Quase amargo se lhe sentir bem o paladar.
Este gostar de ti,
É um céu de nuvens,
Nuvens, nuvens e mais nuvens!
Tantas nuvens brancas e lindas,
Cheias de formas! Espectaculares!
É um céu lindo!
Depois, chove!
Este gostar de ti
Entranha-se profundamente,
Cola! Como o selo no postal!
Que corre mundo, preso ao envelope!
É como andar de comboio ao contrário,
A paisagem em vez de se aproximar, afasta-se!
Gosto desta estranheza,
É diferente, surpresa!
É como andar numa montanha russa,
É subir devagar e descer a pique!
É andar, andar, e enjoar!
Depois descemos,
E voltamos para a fila,
Para dar mais umas voltas.
É estranho o meu gostar de ti,
É um desentendimento de mim.
Toma-se gosto por este gostar
Gosta-se tanto, muito e bastante,
Torna-se viciante!
Este meu gostar de ti é estranho,
Não é gostar,
É, enfim...

Amar!!

AS

3 comentários:

Anónimo disse...

tao lindo!

OC disse...

mais um que apreciei, sonhei, delirei...
OC

OC disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.